Penitência

Segurando tocando meus ossos Esmagados os derroto Derretendo tomo teus esboços Emaranhados os corto. Seja feita a vossa vontade Apagando todas cinzas, Acendo então minha verdade Corcundo as nossas vidas. E mostrando vontade verdade E então paro, exploro. Destilo sem não minha cidade Me conjugo me imploro. E me crucifixo, desloco-me E paro, escuto, olho, E traço desnudo, orgulho-me! Então …

Jangada

Queimo por entre meus dedos o morrer da água calada acostumo minha carne sobre a doce jangada à qual deito meus lençóis e estendo minha cama. colho o sibilar do cristal-mármore que teima em deixar seus sulcos riscados sobre a queimada ardente que seiva em sua frente o desenhar de seus troncos cavados. rotundo sobre o suor prático e vulgar …

gaya

Acendo um ultimo adeus por e quanto apago a primeira amarra que teu me toma. destilo minha pele enquanto enxugo um toque teu que tão depressa te corre, meu corpo. queimo lágrimas sobre o vale que em minha pele se esconde, vejo minha chama arder sobre teu amalgo fluído que de tua garganta segregas e sufocas o cruel beijo… eu, …

Incêndio

Em quarto acordado me queimava eu já sentado sobre o derramado osso de meu lascado soalho. Enterro meus dedos sob castelos de cinza envolvente, feitos de memória aquecida de lembrar esquecida. Teço pegadas em alegrias de passados passos de lágrimas cobertos. Destapo meu pensar de saborosos saberes eternamente gastos pelo latejante carvão coberto. Lavo em vão as carcaças fumegantes, tentando …

Caixa

Em uma caixa me guardaste meu pó me limpaste e o papel quente das conversas sinuosas lhe juntaste. Em uma caixa me encaixotaste e a encaixar-me te decidiste juntar-me às sobras de teu passado. Em uma caixa me guardaste e a arquivar-me te decidiste. Pés, mãos, cabelo! Cada qual para seu lado. Unhas dentes e ossos! Outros tais para seu …

838

Perdido na multidão te encontro semelhante a mim diluído e esquecido pelo embaraçado mar que nos movimenta em ondas tímidas que bem serviam nosso amor. Sacudo meu já envelhecido e sujo pó de meus sapatos, pelo cristalino suor calçados e calcados de uma saliva saliente em uma eterna estrada de gente, emaranhada em surgido aparato aperto de parto. Golpeio feridas …

Engulo Gente

Engulo avidamente esfomeado pessoas de mil sabores. ( Obtusas, elementares e em sal conservadas ) Sinto o estalar da carne de genes de gente germinante, que ruminantemente guardo entre o meu estomacal desejo. Como se derretem vaporizando vapores de múltiplas cores, aquelas que se fazem pintar como flores de minha flora. Pelo gigante vermelho navegam agora, como por jangadas de …

Jardim de Ferro

Caem frias as abóbadas de ferro,
aquelas que caem em meu jardim,
como se acotovelam sedentas do enterro
no sepultar do sepulcro sagrado das
ferrugentas entranhas de meu jardim.